Educação

Enade: apenas 6,1% das faculdades avaliadas receberam nota máxima

20/10/2020 10:35
 

O MEC (Ministério da Educação) divulgou na manhã desta terça-feira (20) os resultados do Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes) 2019, que avalia o conhecimento de alunos que estão concluindo a graduação.

Das 8.368 instituições avaliadas pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) apenas 511 conseguiram a nota máxima, 5, 6,1%. Dessas, 82% são instituições públicas e apenas 18% privadas. A maioria se concentra na região Sudeste, 49%.

 

Apenas 1% dos estudantes avaliados conseguiram notas acima de 95 pontos na parte de formação geral da prova.

A maior parte das instituições privadas obtiveram nota 3, na média do conceito Enade — das 3.103 faculdades, 83% eram particulares (2.579) e 17% públicas (519). Ainda de acordo com os dados do Enade, das 289 que tiraram notas 1 e 2, 93% são privadas.

Das instituições avaliadas no Enade, 85% eram privadas e apenas 15% públicas, que se destacaram com as melhores notas.

Em entrevista coletiva, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, destacou que deve "focar na qualidade" e "não terá medo de descredenciar instituições". 

"Chega de ter escolas de nível regular para baixo, temos de investir na base, para que professores possam alfabetizar de forma mais efeitva, sem base, não teremos uma educação de qualidade", avaliou o ministro que deixou a apresentação para um reunião com o presidente Jair Bolsonaro.

Cada curso é avaliado a cada três ano e os estudantes são obrigados a fazer a prova ou a justificar a ausência. Mais de 391 mil estudantes fizeram o teste no ano passado. 

Entre estudantes que fizeram o exame em 2019, o Inep informa o seguinte perfil:  55% eram mulheres e 45% homens,  45% abaixo dos 33 anos de idade, 54% são brancos de renda familiar baixa — 18% tem renda de um salário mínimo e meio.

60% dos estudantes que fizeram o Enade foram beneficiados por algum subsídio público - seja universidade pública, Fies (Financiamento Estudantil) ou Prouni (Programa Universidade para Todos).

Quando avaliados o curso de Medicina, maior proporção de pais com ensino superior 47%, renda mais elevada — 9% tem renda familiar acima de 30 salários mínimos e 91% não trabalham. Eles também dedicam mais horas ao estudo semanal, 58% estudam mais de 8 horas por semana além da carga horária do curso.

Os alunos avaliados eram vinculados a 8.368 cursos de graduação em todo o Brasil de 29 áreas de conhecimento: agronomia; arquitetura e urbanismo; biomedicina; educação física; enfermagem; engenharia ambiental; engenharia civil; engenharia de alimentos; engenharia de computação; engenharia de produção; engenharia de controle e automação; engenharia elétrica; engenharia florestal; engenharia mecânica; engenharia química; farmácia; fisioterapia; fonoaudiologia; medicina; medicina veterinária; nutrição; odontologia; e zootecnia.

Já os cursos que oferecem o grau de tecnólogo são: tecnologia em agronegócio; tecnologia em estética e cosmética; tecnologia em gestão ambiental; tecnologia em gestão hospitalar; tecnologia em radiologia; e tecnologia em segurança no trabalho.

Neste ano, a Educação a Distância representa 2% dos cursos participantes.

O que é o Enade

O Conceito Enade é um dos indicadores de qualidade da educação superior. É calculado para cada curso a partir da média ponderada da nota de cada estudante concluinte, considerando peso maior para a prova de conhecimento específico.

Foi criado em 2004 em substituição ao Provão (Exame Nacional de Cursos). O exame avalia o desempenho dos estudantes que estão concluindo a graduação em uma prova com base no programa dos cursos. A prova mensura atualização, conhecimento adquirido, competências e habilidades necessárias ao aprofundamento da formação geral e profissional.

De acordo com o Inep, o Enade, que seria aplicado em 22 de novembro deste ano, será adiado para 2021. A decisão ocorreu em função da pandemia do novo coronavírus.

 

 

 

R7

Giselle Garcia/Agência Brasil



Topo